Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Vozes

Eis-las todas, entrementes, circundantes. Ecoam, soam sempre. Um se cala, outro fala. Eu faço o silêncio que as vozes impedem de nascer.
Entre terráqueos, a experiência humana vagueia entre vozes. A da razão, a da experiência, da ignorância, a de prisão. Ativa, passiva, reflexiva, em cacoete, a retumbante. Quase esqueço da voz de Deus, quer dizer, do povo, que mesmo  rouca, se uníssona, jamais se ausculta ou reconhece, embora faça-se ouvir se numerosas forem, mesmo separadas pelo tempo, as bocas que a modulam.
Difusas, loucas as bocas. Elas todas confundem meu zelo pela lógica anti-aristotélica. Ora bem vejamos: se é bom que o silêncio seja feito, que fazer com as vozes que o quebram? Já que as vozes, tão ativas, nos apassivam, por que cargas d'água o pobre silêncio, tão passivo, tem que ser sempre o iniciador e  injustamente considerado opressor?
Tão doce seria provar o absolutamente calmo panorama de um grupo de humanos realmente em silêncio... Mas a palavra retumba e, sendo bem poucas e boas, mesmo que um tanto quanto burburinhadas, acabam alegrando a zoeira reinante. Silêncio rompante. De repente, o silêncio se fez. E eu vi que ele também é ilusão. E correr atrás do vento.
Sandra Lopes
Enviado por Sandra Lopes em 30/10/2007
Reeditado em 20/12/2007
Código do texto: T716147

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Sandra Lopes
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 40 anos
10 textos (577 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 15:18)
Sandra Lopes