Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

QUE DIA

QUE DIA

Hoje deveria ser um dia como outro qualquer. Dia simples, dia alegre, dia-a-dia de um dia como outro dia destes que acordamos pro dia e o vivemos sem muito o que pensar.
Dia que amanhece dia e até pensamos que o dia vai ser um dia de sol... mas chove. Não que a chuva seja má, mas chove um temporal de coisas lamentáveis que de forma alguma deveriam ocupar o nosso dia. Dia carente do Sol.
O Sol; para muitos, apenas sol e para outros, um deus sol. Para mim, Sol; astro-rei que governa o dia, aquece a Terra e domina com sua luz toda a nossa galáxia. Nome que representa também um Deus, não um deus sol; mas um Sol de justiça capaz de transformar dias, horas, minutos e instantes no nosso viver.
Talvez por isso o meu dia seja que dia, está me faltando um pouco de justiça neste dia, um pouco de amor e um pouco de calor. Apesar do sol, o dia está frio como um dia de inverno no meio do verão.
Me queixo? Não. Desespero-me? Talvez...não também. O que sinto então? Sofro. Sofro e não nego. Sofro e não conto pra ninguém a minha dor. Guardo-a à sete chaves que escondo de preferência em um lugar onde eu não possa encontrar. Onde eu possa de preferência esquecer que guardei e assim quem sabe salvar algo de um dia -que pelo menos para eu-ruim.
Dia tão ruim que quase não consigo escrever o que sinto, sentindo-me vigiado por todos os olhos possíveis e impossíveis, por circunstâncias deveras que me inibem a inspiração; esta, que já não é lá grande coisa. E ai...
Bem, o dia está passando e eu vou levando o meu dia como posso e como devo. Como eu consigo levar. E assim, a vida segue o seu curso, as pessoas se irritam cada vez mais, mais eu me decepciono com a irritação alheia que deixa-me um tanto quanto confuso e conflitante...
Mas meu dia... que dia, quase um decêndio interligado por decepções maduras que caem em meu colo como frutos de um viver errante, vicinal, marginal no dia-a-dia da vida, do viver e do amar.
E o que é o amar? Sentimentos? Atitudes? Compreenção? Paciência? Presença? Ausência? O conjunto de tudo ou será que nada do que aqui é perguntado? E eu? Como fico? Como é que eu vivo esse dia de cão? Esse decênio de angústias e sofrimentos que não me queixo mas agradeço por passar, pois sei que no final estarei mais maduro, mais experiente na arte de viver.
O Sol se esconde e a noite chega e eu pergunto: _”Será que esta noite que chega não seria a continuação da noite anterior que se emendou neste dia, avança pela noite adentro e prepara o terreno para o meu decesso e assim eu não mais vejo ou sinto prazer em nada? Ou será que eu não sou mais nada?
Pois é; somente posso dizer...Que Dia!



Horácio Francisco da Costa em 28/01/2007.
tropporj
Enviado por tropporj em 06/11/2007
Código do texto: T725168
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
tropporj
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 56 anos
278 textos (10264 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 23:33)
tropporj