Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MELANCOLIA (4)

LEMBRANÇA DE UM PLANETA

Quando sorrir, não perceba
que pela vida passou uma lástima.
Por rimas e rimas,
não se encontrou a vitória do poeta.
Somente a história dos mais tristes
tamborilava na janela.
É ela, a vida, a responsável por este risco de morte.
E o desespero sempre arruma suas malas
junto com minha viagem.
Viagem esta que é puro cansaço
no infinito dos mais tristes,
em lágrimas justificados.
Quando passo pelas ruas
e vejo casas,
vejo as casas de crueza, de uma civilização silenciosa e alienada.
E o canivete de quem me espera na esquina não tem mais dono,
de tanta carne a desafiar.
Encadeia-se a trama dos sanguinários que estão prestes
a explodir seus próprios retratos,
e a lembrança da ponte da vida,
com seu arco-íris, fica obscurecida.
É a lembrança desta época que me paralisa.
Desliza pela pele
a saudade sem caminhos, sem portas, sem magnetismos.
Uma lembrança misturada a uma espuma negra,
radiante de violência, sem lugar e sem hora
para acontecer -
como um desastre nas estradas do horizonte.
O ontem e sua lembrança misturados à espuma negra do planeta
da monotonia ou da violência,
das saudades sem caminhos...


COMETA BRILHANTE

Luz cristalizada na busca do sonho.
Cometa brilhante vingando
as pupilas dos meus olhos.
Vingando este brilho
amargo,
que tanto se resume.
Cometa brilhante feito anjo da guarda,
criando nos braços
a infância da luz
que mais quer voar...
Cometa brilhante
passando atrás da luz!
Será que fui só eu que vi?
Passando em pleno silêncio e
iluminando minha alma,
e que tanto embeleza a inspiração de vida
de quem o vê.
Cometa brilhante,
tão perto estarei dessas luzes
quando em meu peito se fincarem as cruzes.
Tão perto estará da minha vista,
quando eu desejar ser artista.
Cometa, sim, cometa este ato de luzes,
com minha meta, sim,
jamais serei vazio.
Seremos... seremos, sempre, repletos de luzes,
cometa seremos, com meta seremos,
cometa, sim, lua, sim,
vinga esta contemplação, vinga este sentimento.
Dê este puro acalanto, porque o mundo é amargo,
é frio e precisamos de um manto.
Cometa brilhante,
com meta brilhante,
tão perto estarei dessas luzes
e no peito não se estabelecerão mais as cruzes...


FERNANDO MEDEIROS
  verão de 2006
FERNANDO MEDEIROS
Enviado por FERNANDO MEDEIROS em 21/01/2006
Código do texto: T101727

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor Fernando Medeiros e o link para o site www.recantodasletras.com.br/autores/fernandomedeiros). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
FERNANDO MEDEIROS
Campinas - São Paulo - Brasil, 53 anos
155 textos (8752 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 20:53)