Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Fragmentos

 
Quando me sentei naquela relva
Leve brisa suave e morna,
Soprou aos meus ouvidos
Todo nossos segredos.
 
Desde longo passado,
O vento suave trouxe de novo
Meu eterno enamorado.
 
Naquele silêncio da noite.
Quando ficamos a sós.
Ha! Tive medo, medo de mim, medo de ti.
 
Algo mais forte, como um imã.
Fez de mim a nossa sorte.
Não temas, um segundo, somente um segundo...
Ferido meu coração, tinha receio desta sorte.
Tive medo, medo de mim, medo de ti...
 
Naquela noite, uma luz brilha no campo celeste,
Do brilho de nossos olhos,
Com o clarão mágico do luar,
Vimos nosso amor retornar.
 
Tive medo, medo de mim, medo de ti...
Quiçá sabíamos, que este amor existia.
Como a pureza de um anjo,
Ouvia sua voz, que há muito conhecia.
 
Tive medo, medo de ti, medo de mim...
Como me enganei, meu amor é chama!
Hoje não temo, pois m'alma te ama!
 
Quem questiona sob a vida, amor e morte...
Sabe que nosso amor está além que qualquer sorte.
 
Graça Cardoso
06.07.2002
FBN sob n°341935 livro 629 folha 95


Graça Cardoso
Enviado por Graça Cardoso em 01/02/2006
Reeditado em 01/02/2006
Código do texto: T107015
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Graça Cardoso
São Paulo - São Paulo - Brasil
7 textos (178 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 14:32)
Graça Cardoso