Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

a vida é um brinde, a morte um prêmio


nesse palmo de chão que me sustento
há uma fundura que me engole
coberta por um céu que não me socorre,
inundada de mim morro sufocada
pelas incertezas que borbulham cheias,
ceifo dúvidas mal plantadas
me agarro sem fé as minhas próprias teias
 
nesse veio que me agarro,
arranho paredes amolecidas
tal qual cinzas de cigarro
que deslizam previamente esquecidas,
rasgo sulcos mas não finco raízes
quase tudo aqui é volátil
sob penetrados olhos juízes
o ponteiro ingrato escorre frágil
no gume de lâmina afiada;
que se multipliquem em muitas facetas
a que de mim sobreviver agarrada
e se enterre ao som de trombetas
a que se despe da carne fácil.
Angélica Teresa Almstadter
Enviado por Angélica Teresa Almstadter em 18/02/2006
Código do texto: T113421

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Angélica Teresa Almstadter
Campinas - São Paulo - Brasil, 62 anos
1054 textos (55634 leituras)
25 áudios (3274 audições)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 13:00)
Angélica Teresa Almstadter