Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Homenagem ao Dia Nacional da Poesia - Sabem-me as mãos


Para ti poesia que sabe de mim, o que eu ainda não sei...
 
 
Sabem-me as mãos
Quando, amiúde
Ensaiam vôos de letras
Suspensas em suspiros
Entrecortados versos
De segredos e precipícios
Mãos que transbordam
Rasuras, oceanos e desertos

Sabem-me as mãos
Quando anoitecidas
Bocejam a angústia
Do olhar insone
Que não se reconhece
No espelho que o espreita
Pará cá do que se permite ver
Apenas a vida branda
Em enganadora sensatez

Sabem-me as mãos
Quando se deixam pendidas
Estendidas em nuvens
Parindo-me novos horizonte
Ou a navegar nas águas turvas
Onde os olhares mergulham
Em cicios, dissonâncias e sussurros
Confrontando a solidão da alma
Atravessada em indagações
Sobre o respirar da vida

Sabem-me as mãos
Quando vem do gris a palavra
Que se dissimula em quietudes
E o eco é a dor que cala
O frio corte da solitude
Em que se rasga o sentir exangue

Sabem-me as mãos
Que me alforriam algumas palavras
E me amordaçam outras tantas
Estancando a chaga dos lábios
Com torniquetes de silêncios
Contendo a caligrafia
Que sangra o teu nome, a saudade


Fernanda Guimarães
Fernanda Guimarães
Enviado por Fernanda Guimarães em 14/03/2006
Reeditado em 25/08/2008
Código do texto: T122991
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Fernanda Guimarães
Fortaleza - Ceará - Brasil
430 textos (64358 leituras)
9 áudios (1782 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 08:38)
Fernanda Guimarães