Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NOS BRAÇOS DE MORPHEU


Da quentura do meu leito
para os braços de Morpheu
eu parto voando leve…
Deixo o lógico e o estreito
o racional e o perfeito
e nessa viagem breve
vai a outra que sou eu

E enquanto Morpheu norteia
meu sono e abstracção
na sua louca odisseia…
Eu, imóvel, sem um gesto
rasgo a imaginação
e elevo a minha visão
pra além do que é manifesto

E nessa rota plo Espaço
onde o tempo não é nada
e a distância não tem passo
nem rua ou encruzilhada…
Salto obstáculos, barreiras
sem bitolas nem craveiras
e meus poderes ultrapasso

Nesse breve cerrar de olhos
não há medos nem escolhos
limites ou competências…
E nesse céu sem fronteiras
esqueço conveniências
tabus e rectas maneiras
sem medir consequências

Comigo o sono e o sonho
dois companheiros sem siso
fazem calar minha mente
e enlouquecem meu juízo…
E eu à solta impunemente
num, ao porvir me anteponho
noutro, o passado exorcizo

Meu corpo posto em repouso
alma entregue ao imprevisto
é hora em que tudo ouso…
E é dormindo que insisto
em sorver, voraz, do sonho
a força que à dor oponho
as armas com que resisto!

***

(In “Geometrias Intemporais”, publicado no ano 2000)
(In "Luas e Marés" - E-book -     "     em Abril/2006)
 http://www.delnerobookstore.com/bibliotecas_virtuais/carmo_vasconcelos
***
Poesia declamada:
http://www.abrali.com/000membros/cd/carmo_vasconcelos/sitio.htm




Carmo Vasconcelos
Enviado por Carmo Vasconcelos em 12/04/2006
Código do texto: T137900
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Carmo Vasconcelos
Lisboa - Lisboa - Portugal
203 textos (15408 leituras)
62 áudios (7662 audições)
15 e-livros (1367 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 00:10)
Carmo Vasconcelos