Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A cor da morte

às vezes fujo para dentro de mim,
abro todas as portas,
todas as janelas
como se eu fosse uma casa abandonada.
abro também os olhos
e, em total desespero,
deixo desabar o pranto
em vômitos seguidos de dor.
me deixo ali,
acomodado,
prostrado como um verme
em putrefação.
as forças me fogem
os desejos me consomem
por dentro e por fora,
ninguém me acode.
as janelas não têm trincos
as portas não têm ferrolhos
os meus olhos não têm as lágrimas
a minha dor não tem limite.
nas paredes, a sombra do meu corpo
desenhada com raro esmero
repete com perfeição o monstro
que agora carrego dentro de mim.
neste momento
tenho vontade de me matar,
de envenenar a minha comida,
de rasgar as minhas novas feridas.
mas sou um nada
um indiferente
um delinqüente
perdido nos vagos versos,
por isso, não me mato
Pedro Cardoso DF
Enviado por Pedro Cardoso DF em 02/05/2006
Código do texto: T148885
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pedro Cardoso DF
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 68 anos
4325 textos (94893 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 21:35)
Pedro Cardoso DF