Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Meu Agreste Sofrido

Meu amado agreste,

De onde saí não faz muito,

Tempo, que me recordo,

De quando as arvores subia,

Para sentir bater o vento em meu rosto.


Agreste amado,

De onde não se consegue esquecer,

Dos momentos vividos,

Só alegria posso ter.


De seca as dores da colheta errante,

Mas de chuva alegria, nostalgeante.


Das familias pobre de meu agreste,

Recordo apenas suas alegrias,

Pois suas tristezas se tornaram para mim

Lições diarias se fim.


Termino minha frase agrestiniana,

Falando de minha tristeza apenas,

Por não ser reconhecido agrestino sofredor,

Que de lá parte,

Para uma vida melhor,

Onde os percausos de dores

São maiores que aqueles

Sofridos em terras outras.
Jandeilson Galvão Bezerra
Enviado por Jandeilson Galvão Bezerra em 05/05/2006
Reeditado em 17/04/2009
Código do texto: T151045

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (JANDEILSON GALVÃO BEZERRA www.jandeilson.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jandeilson Galvão Bezerra
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 32 anos
26 textos (990 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 09:43)
Jandeilson Galvão Bezerra