Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poesia de Bolso 27 ( Que mistérios tem Clarice? )

Quando Clarice morreu
Era sei lá qual o dia
De um ano que já nem lembro...
Ainda não lera os seus livros,
A dor veio muito depois...
Era uma dor de saudades
De alguém que eu não conhecera,
Por quem não verti uma lágrima,
De quem não sabia as maneiras...
Quando Clarice morreu
Se não choveu, deveria
Prá que se apressasse a partida
Que nos apequena e angustia
E mais fermenta lembranças antigas
O tênue fio do cordão partido
Nos devolve à vida sem nenhum preparo
Caminhamos meio que cegos
Tropeçando em entrelinhas de ausências...
E hoje, ainda hoje, agora mesmo
Com tantos anos de Clarice morta
A lágrima que me arde a vista
É mais que sal: é Água Viva!
Aldo Guerra
Enviado por Aldo Guerra em 14/05/2006
Código do texto: T156236
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aldo Guerra
Rio das Ostras - Rio de Janeiro - Brasil, 60 anos
296 textos (26102 leituras)
3 áudios (490 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 03:18)
Aldo Guerra