Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

EU 4 - amanhado de naufrágios

_________________ EU (4)

Do nada ao quase nada,
do nulo ao ínfimo,
e, enfim, do átomo à coisa,
no ascendente de uma via
pelo curso do tempo.
De novo:
da vida ao vital,
do sentir ao ser
por ápices de movimento
que o universo inspira.

Entretanto,
e entre o tanto
que aqui se revolve,
a descoberta
de um querer novo
dentro da gente
e da vontade-frenesi
de um todo renovado,
Daí a respiração
reformular-se admirável;
daí o abrir de braços
para abarcar o céu.

Ah! Meu céu
de fora e de dentro
meu céu, meu desvelo
que eu festejo
de dentro para fora.
 
Se o questiono
ele entende
e no silêncio, responde.
Talvez só, porque
cai uma gota
no meu rosto de Outono
e eu pressinto
que vai chover.
Talvez porque
cai uma lágrima
de estrela incontinente.
E, sim!, vai chover!

Fica-me um pasmo
por uma migalha
líquida e declinada
só para ficar aqui,
comigo,
a fundir-se a mim,
a mascarar-se
de ser cristalino,
e, porque não?,
para me agradar.

Fecho os braços
a envolver tudo
o que me é,
ainda que só no enlace
a um par de ombros
(mal) amanhado de naufrágios.

Suspiro o sentir perene
da tormenta
no meu deserto
pela razão avassaladora
de querer essa chuva
a poisar em mim
e o céu num pranto
de lágrimas consteladas.

Tudo isto à conta
de ainda não saber forjar
a verdade que me falta
no imenso desencontro
com o nada e o nulo;
...de não saber
inventar a raiva
do intenso desencanto
com o quase nada
e o ínfimo do que abarco.
Como tal, fecho o dia,
arrecado a mágoa
e aquieto-me.
Luis Melo
Enviado por Luis Melo em 06/06/2006
Código do texto: T170452
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luis Melo
Portugal, 59 anos
64 textos (2257 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 00:14)
Luis Melo