Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

POEMA DE NINGUÉM






"...Meu poema mais verdadeiro
começo agora...
Sinto as letras agrupando-se firmes
Enquanto  o meu olhar amante
acompanha a dança das frases...
É o meu encontro
 com um coração descrente
e uma poesia dolorida ...
Já sei o que digo através
das mãos que não vacilam...
Uma nova cor transparente
que mata o negro
dos dias invisíveis e
tinge a tela
 da inércia poética...
Me esqueci dos desvios
e ando em linha reta
pelas ruas dos parágrafos ...
Se for preciso ir embora
já tenho a minha direção
seguida pela companheira
fiel de mais de mil luas...
Vou com passos seguros,
lá, onde a poesia mora...
Onde as linhas não se acabam
e a inspiração não cessa...
Longe do tempo e dos tempos,
fragmentos e filamentos...
Numa ausência dos propósitos,
da imprevisível paixão,
do inopinado aconchego
 e do tudo que desconheço...
Um leve abandono
ao passo seguinte
que marca o espaço solitário
desse poema de ninguém..."



Sonia Pallone
Enviado por Sonia Pallone em 18/01/2005
Código do texto: T1821

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Ex: cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Sonia Pallone
Atibaia - São Paulo - Brasil, 65 anos
277 textos (17849 leituras)
2 e-livros (160 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/16 16:01)
Sonia Pallone