Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

nem antes, nem depois


              não há pressa para chegar
              antes das chuvas de janeiro
              se o próprio relógio demarca
              o instante de nossos desejos.

              Não importa a cor da manhã:
              seremos os mesmos a sonhar
              aquilo que não alcançamos:
              o querer de nunca acabar.
             
              Mas, alguém dirá certamente
              que esquecemos nossos coletes
              para que a ferrugem da noite
              permaneça em seu lugar.
             
              Seguimos desarmadamente
              o calvário cotidiano
              controlado pelo relógio:
              pendurado em qualquer parede
             
              Não há pressa para chegar
              antes das chuvas de janeiro,
              seremos os mesmos a viver
              o calvário cotidiano.
               
andre luiz de castro
Enviado por andre luiz de castro em 27/06/2006
Código do texto: T183271
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
andre luiz de castro
Garanhuns - Pernambuco - Brasil, 35 anos
3 textos (97 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 20:42)
andre luiz de castro