Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sinais

No território da amargura os dias não têm cor.
Tudo é de um cinza frio, metálico.
E as palavras se perdem assustadas num tiroteio de pensamentos.
Absortas, frágeis, temerosas, casadas com reticências.
Verdades sumidas entre as aparências.
Então me calo inundada daquilo que não sei.
Do que nem sequer chegou a ser abrigo.
Um cais além de mim.
Um vendaval, um algo assim:
Num precipício entre o sim e o não.
Entre a ternura e a razão.
E rupturas se estendem em varais.
Febril, cansada, exposta em documentos, no gelo de uma certidão: um anúncio.
Verbos calados anunciam destinos.
O que foi referido, não tem Fé.
Não é fértil...
Não é carne, nem osso, nem humano, é dor.
Como a navalha que perpassa a pele do bandido.
E democracias explodem em mosaicos de religiões.
E bandeiras caem ao chão.
O que é estado, de fome e frio?
O que é raça?
O que é crença?
O que é nação?
E na cabeçada do artilheiro cai o Estado de Direito.
Cai a esperança.
Perdida nos muros dum presídio.
E não há dança, não há flor e não há criança.
Os dois olhos do humanismo cegos, como se tardia fosse a perplexidade.
Um silêncio dói, corrói...
Um silêncio afronta os jornais.
Um silêncio explode em capitais.
Um silêncio repleto de sinais.

Alyne Roberta Neves Costa
Enviado por Alyne Roberta Neves Costa em 13/07/2006
Código do texto: T193411

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (citar a autoria de Alyne Roberta Neves Costa). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Alyne Roberta Neves Costa
Salvador - Bahia - Brasil, 45 anos
28 textos (2615 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 02:24)
Alyne Roberta Neves Costa