Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Cavaleiro e a Espada

Cravo e ferro, espada e flecha
O campo verde, jaz vermelho
Enterrando os miosótis no seio da terra.
Tão pequena, ouvia-se o medo
Ouvia-se o silêncio de túmulos
Gritava-se a dor da morte!

E eis que a pequena estrela branca
Desponta de seu reino obscurecido
Dando seus raios prateados aos juncos
Fracamente iluminando os guerreiros

O céu se abrindo,
E a Lua, Senhora Bela e Terrível,
Dando seus ares de viuvez
Empalidecendo rostos lívidos de defuntos
Olhando mais além ao Homem que passeia entre mortos
- Onde está tua amada? Porque, enfim, não morreram juntos?

Pobre cavaleiro, tão gentil e heróico
Contempla a leve estrela
Admira a tão amada lua
- Ora, não vês que ela partiu?
Porque não vieste vê-la?
Ela se foi sem a digna bênção tua!

E ela, Senhora da Noite, não sabe
Que os homens quando amam
Sentem medo e piedade
Sentem frio e acovardam
- Perdão, gentil cavaleiro
Se tua amada partiu,
Apresse-se a vê-la
Olha o céu, primeiro
Não a vê? Tão pequenina estrela?

Mas não há consolo para ele
Que vaga entre os inertes
Amaldiçoando e sendo amaldiçoando
- Tantas cicatrizes sobre a pele,
Minha espada não serviu
Porque não eu o assassinado?

- Quiser descer eu à Terra e consolar-te!
E tua coragem?
Teus brados e feitos não te servem de nada?
Se amaldiçoas a tua viagem,
Então não mereces o brilho gentil de tua amada!

E com desanimo, dor e pesar
Foi o Nobre Homem a vagar
Tão pequenino entre os mortos
Estava a Lua lá no céu,
Doce, enviando bênção ao coração
Do nobre cavaleiro, que transbordava em fel!

E toda esta agrura caminhando ao relento
Tornou-se sombra e maldição
Marcando a alma de quem ama,
Aguilhoando corações
E torturando o mais leve dos pensamentos

Se toda esta dor, afinal, valeu a pena
Porque a morte nos verdes campos?
A dor pressagiada ainda é pequena
E o medo que tomamos
Sempre afasta o que amamos!
*
Os campos jazem vermelhos
Os que lutaram não existem mais
Nem sombra, nem memória
Nada que os torne imortais
Não é hora de pôr fim a estória?

Oh, mas ainda há o cavaleiro e sua dor
Perdida está a guerra e sua amada
Sob lua e estrela, entre sangue e horror...
Pela última vez, desembainha sua espada
Crava-a no peito e, olha a Pequenina
É tarde! - Seu sangue já derrama
Ouve-se uma canção cristalina
Na voz de adeus daquela que ele ama!

30/12/03

Obrigada pelos comentários!
Agatha Christie
Enviado por Agatha Christie em 14/07/2006
Código do texto: T194039

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Agatha Christie
Belém - Pará - Brasil, 32 anos
16 textos (17584 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 14:51)
Agatha Christie