Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Valsa Brasiliense

Valsa brasiliense

Apaixonado, com o coração empenhado,
Em lhe dar amor
Como em flor
Cinco pétalas, sentimentos vários,
Ao brilho do seu encanto

Quantas vezes me chamaram de louco
Ao me viciar pouco a pouco
À doçura da sua voz
Ignorando o destino atroz
Da distância que não se sente

Dei tudo o que tinha
Nada o que meu coração negasse
Foi rejeitado, sempre resignado,
Ao amor multiplicado
E não dividido

Carreguei esse fardo
Esse sentimento vasto
Em dias efêmeros e noites eternas
Mergulhado nessa hipocrisia
Que um dia, após sempre,
Chamar-me-ia de meu amor

Viu o que tu fizeste?
E para mim, o que me deste?

Cansei-me de esperar
Perdi o trem da esperança
Na estação da tua dúvida
E na certeza do nada

Toquei a valsa brasiliense
Na sinfonia dos meus versos
Nos sons dos sopros divinos
Às palmas do teu silêncio

Tu fizeste um milagre,
Tu provocaste o meu pranto
Verdade cantada, saudade declarada,
E tu? Permaneceste calada?

A valsa brasiliense parou de tocar
Os sentimentos, somente meus,
Tão sós e sozinhos foram
Soluçando um último sopro de melancolia.

Daniel Pinheiro Lima Couto
05/06/06















 













Daniel Couto
Enviado por Daniel Couto em 23/07/2006
Código do texto: T200072

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Daniel Pinheiro Lima Couto). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Daniel Couto
Curitiba - Paraná - Brasil, 34 anos
110 textos (6652 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 13:58)
Daniel Couto