Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Devoro a forma e a desconheço...

Ouço o arfar, Jack, ígneo e imperfeito,
A exprimir latente, na secura da língua,
A idéia fresca, persistente e ambígua,
A despertar-me um sentido já putrefeito.
 
Ah! Mas que me resta, se não da morte,
Aguardar o romper do gemido etéreo?
Condizente com meu voto, atual, funéreo.
Querer-te é o acaso! Alcançar-te é sorte...

Eu finquei meu pobre coração num ramo,
Para calar da alma minha intensa fome,
Para que me perca, quando na noite clamo.

Porque a moléstia aos meus ossos come,
Vivo na angustia interna, na qual te amo.
Morro no verso, sem conhecer teu nome.
Myrna RRP
Enviado por Myrna RRP em 26/07/2006
Código do texto: T202793
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Myrna RRP
São Paulo - São Paulo - Brasil, 31 anos
26 textos (677 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 20:33)
Myrna RRP