Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Longa vida



Nasce uma menina,
Cujo riso é seu sobrenome
A ingenuidade é a sua irmã
E a criança que nunca cresceu
E ainda vive no tempo

Amante de queimada
Corria descalçada
Pela rua,
Entre pedras e barro batido

Entre desencontros e barrancos
Da mãe querendo se encontrar,
Cuidar do pai perdido
Que não parava em casa
Formou-se uma linda mulher
Os olhares voltados pra ela
Que nunca a enfeitiçaram

Vários amantes platônicos,
Poucos amigos
E nunca amou ninguém
Na idade da descoberta

Teve seu momento de glória
De adoração, fama e drama.

Casou-se com José Carlos
Que conheceu no subúrbio do Rio
A quem foi levada na bagagem
De bicicleta
Contornando críticas e preconceitos
Cabeludos

A música é sua paixão
Sua voz encantou a todos
No estúdio, no palco,
Nas ruas, estradas
Que levam de norte a sul do país
A cada vez que desligava o mundo

Traição, uma amizade falsa,
Destruiu o elo musical
Que carregava o seu dom natural

O Zé não se redimiu
Resolveu seguir outro caminho
Fizeram três filhos
As quatro razões de seu existir


Lançaram-se no escuro
Perderam tudo,
Lutaram contra a incerteza
Do pão que não sabia se vinha

Uma última ficha de telefone
Uma centelha de esperança
Uma passagem de trem
O Zé voltou a sorrir

Dinheiro jogado no ar
E alegria posto a mesa

Saíram da cidade Azar
Acolheram-se em Santo André
E suas vidas voltaram a prosperar
Todo fim do mês ela escutava
As histórias das viagens do marido
E testemunhava a saudade
Da inocência dos seus filhos

José cansou-se de viver
No meio da sujeira
Da podridão humana
Que sua profissão lhe deu

Fugiram pra Antonina
Uma cidade pequenina
Conheceram a felicidade
Diante dos meninos
Onde o perigo não existia

Os anos percorreram
Com a velocidade do som
Quando se viu, se vê um fio de barba
Do filho caçula
Já é domingo, temos que partir,
Um beijo mãe
No fim do mês eu volto.



Tardes vazias
E noites cheias de saudades
Lembranças vivas
Como se fossem hoje

Dias e dias
Semanas e meses
Sempre a mesma conversa
Filhos e futuro
Já que o presente a consome

Coração de mãe
Alma angelical
Companheira leal
Amiga e irmã...

Já se foram tantos
Tantos anos vivemos
Vivemos à espera do amanhã
De um dia mais perfeito

Tantas sextas-feiras
Quantos dias eu esperei
Alguém da família
Bater ao portão,
Provocando o latido dos cães...

Como ontem, como hoje,
Estou aqui, com os meus filhotes
E meu Nem
 De rostos mudados
Porém os mesmos risos...
Presenciando minha Idade Nova
Há mais de meio século.






Daniel Pinheiro Lima Couto

04/05/06





























Daniel Couto
Enviado por Daniel Couto em 29/07/2006
Código do texto: T204358

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Daniel Pinheiro Lima Couto). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Daniel Couto
Curitiba - Paraná - Brasil, 34 anos
110 textos (6652 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 18:41)
Daniel Couto