Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

REQUIEM AETERNAM

“(...) Supliquei, pedi um sinal, enviei mensagens ao Céu: nenhuma resposta. O Céu ignora até o meu nome. Eu me perguntava, a cada minuto, o que eu poderia ser aos olhos de Deus. (Jean-Paul Sartre)”.
 
 
Numa tarde morna de céu embaçado,
nos despedimos da mulher forte
que se chamava Maria, Maria de Lourdes.
Partiu sem dizer nada como silenciosa viveu,
e foi embora deixando apenas a demorada ausência
de um mundo generoso que partiu com ela.
 
Todos querem explicar esse crepúsculo tristonho,
desvelar o eixo estruturante da própria vida,
se pródigos que se descobrem longe de casa
ou  flâmulas que tremulam ao sabor da sorte?
 
Entre os filósofos a discussão é interminável:
a vida faz parte de uma essência  imutável,
ou  o homem  é apenas um ser individual
jogado no mundo, proscrito e desamparado.
 
Os teólogos apresentam-na como sinfonia
inextinguível, cuja diversidade e plenitude
não se pode perceber com um espírito coxo,
e rejeitá-la,  em quaisquer das suas dimensões,
seria  a medida de nosso próprio fracasso.
 
Cada um sente a vida a seu modo,
o ladrão, a criança, o lavrador
dão-na o valor que lhes convêm.
 
Já o poeta, esse desvairado,
atravessa a vida juntando retalhos,
e  guarda-os  no próprio bolso,
como se escondesse pedaços de estrelas.

José Luongo da Silveira
Enviado por José Luongo da Silveira em 30/07/2006
Código do texto: T205515
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Luongo da Silveira
Santa Maria - Rio Grande do Sul - Brasil
78 textos (1180 leituras)
1 e-livros (50 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 12:11)
José Luongo da Silveira