Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Réquiem

REQUIEM

Vem, ó doce morte! Vem, cara amiga,
Me envolver no teu negro e etéreo manto,
Que estou banhado em sangue, em dor, em pranto,
E a paz desejo, companheira antiga.

Vem, bálsamo de luz na escuridão
Das incertezas transitórias. Traz,
Dos campos do não sei onde, algo mais
Que ungir possa este tão estreito vão

Que nos separa no éter-no ser.
Imponderável e mística estância,
Liberto da impureza e da jactância,
Eu quero, em teu regaço, adormecer.

Ai, que tua sombra já me trouxe alento...
Vem, que me encontrarás entregue e manso,
Que anseio, em teu infinito descanso,
Livrar-me deste implacável tormento.

Toma-me, sem delongas, no teu seio,
Maternal retorno, esperado e belo.
Vem! Me despe deste corpo em flagelo,
Carcaça com que os vermes banqueteio.


Ó lúgubre beijo consolador,
Teu hálito é suave e inodoro.
Bafeja este momento, que eu te imploro,
O teu inexorável esplendor.

Temor eu já não sinto ante o “funéreo’.
-Filha, esposa, a todos que ora deixo:
-Perdoem-me o impudico desleixo
-Com que me lanço aos braços do mistério!

Um halo, súbito, meu ser invade.
Dissipam-se crenças, fés e razões,
Aliviam-se dores e paixões,
Sobrevêm a inexprimível Verdade.

Deixo, àqueles que outrora foram meus,
No instante em que parto ao meu novo lar,
Uma só palavra, e hei de calar.
Que saibam: Já não sou... eu fui... a Deus!


Rio de Janeiro, 10/08 a 02/09/2001
Antonio Sciamarelli
Enviado por Antonio Sciamarelli em 06/08/2006
Código do texto: T210176
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antonio Sciamarelli
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
29 textos (3380 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 09:25)
Antonio Sciamarelli