Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DAS COISAS DE GAIA

Quando a velha Terra
Chacoalha a sua crina
Seus piolhos inconscientes não sabem nadar.

Nada sabem das coisas das profundezas
Os superficiais
Animais que perderam o senso.

Hospedeiros da crosta
Matam-se mutuamente, constantemente,
Perversamente matam-se.

Erigem pústulas brancas, concretas, gigantes,
Que transvestem-se com luzes
Para enganar astronautas

Civilização espúria, da política torpe,
Das mentes insanas que ilhada em tragédia
Bebem do sangue dos seus por conta do poder.

Discursam fácil no palco azul,
Cobram usura, espalham misérias e depois soldados,
Por conta do que justifica seu ideário.

Hábeis políticos da coisa torpe
Submetem a massa amorfa dos seus iguais
Ao domínio de mortos.

Mistura das massas banca e preta, clara e escura,
Poucos se elevam, muitos submergem
Quase todos inconscientes acreditam em fantasias.

Querem saber do quê?
Do bramido do mar?
Do giro da Terra?
Do pólo norte?
Do pólo sul?
Do Sol?
Do sal?
Do H?
Do C?
Do O?

Oh, dó,
Se não sabem de si.
Chico Steffanello
Enviado por Chico Steffanello em 23/01/2005
Reeditado em 23/09/2006
Código do texto: T2223

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Chico Steffanello
Sinop - Mato Grosso - Brasil, 58 anos
246 textos (30624 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/16 04:01)
Chico Steffanello