CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

Pequenos poemas de grandes significados

         Filhos dos erros e do perdão

Somos feitos dos erros,
Por causa deles sofremos,
Aprendemos e acertamos,
Moldamos o que somos.

Mas, se dos erros, adoecemos
Só o perdão é que nos sana
Por ele, vemos quem nos ama
E do amor fortalecemos.



         Sobre a amizade

Se te falo
O que sinto
Enquanto
Para outros
Simplesmente
Minto.
É porque vejo
Estás sempre
Presente
Quando preciso.
Então sei
Se nada
fizer sentido
Ainda assim
Terei
Alguém pra chamar de Amigo.



        Eu perante Ele

Somos apenas
Deus
E eu
Em silencio
Conversando
Sem palavras
Ele
tentando
me entender
Eu
descobrindo
que não posso
compreendê-Lo.
Eu
Procurando
Amá-Lo
Sem saber como
Ele
Amando
a todos,
Inclusive a mim,
Sem que nós
Reconheçamos
Quanto.



        A liberdade

Livros de
Versos livres
Livre-me
Da prisão
Que a razão
Me prende
E me leve
Lentamente
Ao meu coração.



         Tesouro do homem

Assim somos:
Sonhos
Que crescem
E tornam-se
Tesouros
Que ousamos
Buscá-los
Com tenacidade
E encontramos
Dentro deles
A felicidade.
Ou esquecemo-os
No abismo
De nosso ócio
E os transformamos
Em pesadelos.



         O amor que sentes

Quando dizes
Que me ama
As palavras soam
Tal vento,
Efêmeras,
Que nos tocam
E somem,
Ou se consomem
Tão célere
Que parecem
Sem sentido
Nem se sente
Existido
E simplesmente
Desaparecem.



         Sobre a  verdade

Demônios escondidos
Em sonhos vis
Vão lhe dizer
Belas palavras
Para impedi-lo
De ver
Que as únicas
Verdades
São aquelas
Dentro de você



         Entre tristezas e alegrias

Às vezes,
Também
Sou triste.
Triste
Por não saber
Realmente
Se alegria
Existe.
Às vezes,
Como vês,
Sou feliz.
Feliz,
Por não crer
Tão somente
No que a tristeza
Me diz.



     A esperança
 
Devo,
Ainda que
Pareça
Impossível,
Acreditar
Num mundo
Melhor.
E também,
Insistir,
Mesmo que
Pereça
Imperceptível,
Convencendo
Outros
A crer
No mesmo.



          Sem perdão!

Teus olhos
Ferozes
Ferem
Não os olhos,
Nem a pele,
Ora, a alma
De um culpado
Que errado
Pede,
Quase a implorar
“Perdão”
E recebe
Como despedida:
Seu olhar
E uma palavra cuspida
“Não.”



         Nenhum mistério

Cantem.
Orem.
Gritem.
Chorem.
Amem.
Sofram.
Riam.
Vivam
Além do possível,
Até que a morte
Te esqueça.
Ora,
Se for impossível
Ao menos
Quando ela vier
Venha dizendo:
- Meus parabéns,
Aproveitaste
De tua vida
Ao máximo!



          Coragem

Esses sonhos que se têm
Tão raros de sonhar
Esses sonhos que nos faz bem,
Tão difíceis, de se concretizar,
Ó Deus, para esse sonhos
Dê-me coragem
para que eu possa um dia
Transformá-los em realidade.
Carlos Alexandre Marques e Ferreira
Enviado por Carlos Alexandre Marques e Ferreira em 09/05/2010
Reeditado em 28/03/2012
Código do texto: T2246406
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Carlos Alexandre Marques e Ferreira
São Paulo - São Paulo - Brasil
22 textos (66704 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/09/14 21:18)