Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto I X

IX

Assim no meu interno, sonho-me fada, enfeito magias, eu sou florista
E com Bouquês de palavras, crio meu próprio mundo irreverente...feliz
De braços abertos, agarro a vida que ainda me resta nesta longa pista
Impotente assisto, a tudo isto, mas sigo aquilo que o meu coração diz


Resta a Esperança, que um dia a bonança ... inunde o coração do Homem
Num mar de calmaria, possamos um dia, rumar nos caminhos da paz plena
Veleidades absolutas, e neste meu sentir, há coisas que me transcendem
Quando sonho um poema, procuro a mais bela rima na estrofe mais serena


Dispo todo o mal do coração da Humanidade, dou-lhe a forma que desejo
Mitigo a dor que vai no Mundo, neste sentir profundo, hoje aqui deixo
Alguns retalhos da alma de quem vive de sonhos, á espera de Primaveras


E já no Outono da vida, através da vidraça, vejo a vida passar ligeira
Há mil estrelas a brilhar, em meus olhos o luar, de uma lua feiticeira
Bailarinas as estrelas, são cometas artesãs, desenham no azul quimeras
Cecília Rodrigues
Enviado por Cecília Rodrigues em 28/08/2006
Reeditado em 28/08/2006
Código do texto: T227434
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Cecília Rodrigues
Viseu - Viseu - Portugal
129 textos (5673 leituras)
5 áudios (542 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 16:36)
Cecília Rodrigues