Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O BEIJO DA MORTE E OUTROS OLHARES

      “A morte é passagem para a vida definitiva”.
                (2 Coríntios, 4, 16-18 e 5, 1-10).


Numa tarde fria do mês de agosto
a morte chegou sem dizer nada
e foi enleando em seus braços,
sem mais tardança,
quem tranqüilo dormia.
                         
Era logo a hora da sesta
que faz parte do costume
e que vem de muito longe,
desde que hispanos e lusos
combateram nestas terras.

Desconcertante é a face da morte...
Talvez tenha havido uma árdua luta,
o corpo baqueado transpirava em profusão
e ainda exalava um cheiro farto
que não era de todo incômodo
-  um misto de suor com alfazema.

O choro abafado da filha
debruçada por inteiro
sobre o peito inerte do pai
era  tão pungente
que molhava os nossos olhos.

Na tarde fria o pranto prosseguia,
prosseguia também o cheiro de alfazema
acompanhado apenas do balbuciar de preces
e da sensação inelutável de nosso próprio fim,
com uma melancolia em compasso de espera.

José Luongo da Silveira
Enviado por José Luongo da Silveira em 01/09/2006
Código do texto: T230553
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Luongo da Silveira
Santa Maria - Rio Grande do Sul - Brasil
78 textos (1180 leituras)
1 e-livros (50 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 06:14)
José Luongo da Silveira