Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

do tempo divergentemente ímpio



Esqueci o sentido da limpidez
das águas sobre as pedras
nos riachos da minha infância,

Já não sei das areias,
das conchas
nem das praias morenas da minha juventude.

Nada me resta desse tempo decomposto,
do sabor das primeiras mulheres que amei.

Das primeiras tempestades.


Estou aqui bebendo deste luar
 na emotiva emoção de não estar aqui

Na estranha sensação de vazio
ao ser abraçado pelo frio desta primavera estival.

E de novo
chega esta sensação de estar só entre as pessoas.

Afrontando a morte
vinda do mais fundo das certezas
deste tempo divergentemente ímpio.


Manuel C. Amor
Foz do Arelho, Junho 2005.
Manuel C Amor
Enviado por Manuel C Amor em 13/09/2006
Código do texto: T239548

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Manuel C Amor
Portugal
46 textos (680 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 06:39)
Manuel C Amor