Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Eu

Hoje eu vejo o chão de sua melhor forma
Sou nada e me acho cada dia mais no abismo de mim mesmo
Meus sonhos nem são mais reais, minhas chances passam
E eu continuo o mesmo, e eu me perco cada dia mais...

E eu nem me acho a cada dia mais
Sou um animal insaciável por coisas e mais coisas
Não me contento com nada: quero tudo e me faz mais falta!
A lama e a alma se confundem em uma só: são uma só!

Nunca mais achei o meu paraíso
Sou branco e incapaz de mudar cada dia que passa
Viva a hipocrisia que me faz humano, viva a solidão!
Viva tudo que eu não sou, viva tudo que eu perco!

Vejo aquelas imagens insanas em minha mente!
Prendem-me e fazem-me de refém!
Sem nenhum resgate, sem nenhuma corda...
Eu fico perdido nas amarras do meu eu...

Sim, posso gritar até o fim dos dias!
Mas não irão me ouvir: Sou franco e simples!
Sou fraco e simples!
Perdido em um lugar que nem é meu!

Eu sinto as dores avessas do parto!
Que me pariu nas doses homéricas de meu sangue!
Levem-me daqui! Não consigo mais agir, não consigo mais amar!
Levem-me, apenas...

Tirem a dor que me faz refém!
A cada dia que passa: estou perdido e desencantado!
Estou vazio!
Prestes ao vácuo...

Sinto!
Domino-me a cada passo dado
Não faço parte daquela imundice
Mas faço parte de mim mesmo, e me perco e nem me acho, nem acharei...

Possuo um fardo pesado em meu peito!
De tirar tudo que me impuseram, fazem-me de cobaia!
E eu de tudo deixo, eu me limito!
Derivo-me e tudo passa! Passou...

Ainda vejo as insanas imagens perfeitas!
Eu quero obtê-las!
Mas eu não deixo, eu não sou nada!
Eu sou apenas a minha imagem entre encontros e despedidas!

Nem mais amar eu sei!
Nem mais sentir eu sei...
E sou meu próprio combatente!
Luto, luto, luto... E nunca chego!

Nunca acaba!
Minha luta se contradiz a cada passo dado
De luto, peço ao Pai que me aceite de volta!
Que talvez eu não seja mais nada!

Talvez eu não me ache nunca mais!
Permaneço inerente e ideal!
A tudo que empoem!
A tudo que me imponho!

E no fim do dia, vejo que tudo foi em vão!
E eu quase me perdia bruscamente, totalmente!
E ficava feliz por poder voltar a ser novamente!
E é tudo que me faz viver... É o tudo...

É o tudo que me faz vencer!
Na luta diária de mim a mim mesmo
De proclamar com a maior das verdades:
"Eu sou mais forte do que eu..."

4-10-06
iuRy
Enviado por iuRy em 04/10/2006
Reeditado em 04/10/2006
Código do texto: T255780
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
iuRy
Olinda - Pernambuco - Brasil, 28 anos
71 textos (1342 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 04:51)
iuRy