Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

INTENÇÃO, JULGAMENTO E PREGUIÇA

Eu não tive a intenção!
O que isso quer dizer?
Não fez?
Claro que fez!
Então teve a intenção de, pelo menos, fazer!
Onde mora o perigo ou a graça?
Em fazer ou em querer fazer?
Querer é ficar latente, bombear o coração e alimentar a paixão.
Fazer é extrapolar, ir ao encontro e experimentar o novo.

Devo eu julgar a diferença?
Logo eu?
O que pesa mais?
O que tem mais importância?
A punição deve ser proporcional ao plano ou ao ato?
Deve-se punir o planejamento?
Sim, porque querer também é pecado.
E quando nada é planejado? Fica sem sentença?
Fica sem sentença.

O conformismo não é nenhum monstro. Já olhei ele nos olhos e ele me disse:
"Não é qualquer um que tem força para aceitar o que não pode ser mudado."
Então, sentar e esperar que alguma "coisa" (o tempo, por exemplo!) resolva tudo não é tão ruim assim. E essa atitude tem um nome: preguiça.
Pobre palavra...
Condenada ao mais baixo nível na competitividade dos tempos modernos.
Como assim, preguiça?
Como assim, deixar acontecer?
Como assim, não se preocupar?

Não teve a intenção?
Mas, fez! Claro que fez!
E agora?
Tenho preguiça de julgar.
Rafael Zanette
Enviado por Rafael Zanette em 20/06/2005
Reeditado em 07/07/2005
Código do texto: T26334

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rafael Zanette
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil
52 textos (3630 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 16:20)
Rafael Zanette