Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

[Entardecendo-me]

Lutava-se para acender o fogo para o jantar,
e a tarde — o que dizer... — era uma tarde assim,
de faca cega e parcas carnes duras; e ao redor da casa,
ouviam-se falas truncadas pelos gritos das aves
que traziam a noite num bater de asas em busca de pouso.

A melancolia de tudo crescia na mesma razão
que o avolumar das águas que tocam o monjolo,
mas eu cuidava para que as pancadas no pilão
não quebrassem a minha teimosia de viver,
nascida do medo ou do meu [inútil] senso de eternidade.

Deitado no banco da sala, vi as telhas dissolvendo-se
na penumbra que tomava conta da casa; e logo,
uma luz frouxa tremulou contra uma parede;
cabe então perguntar: o que pode haver de mais triste
que uma lamparina acesa no lusco-fusco?

Já desperto, olho ao meu redor, acendo todas as luzes,
e grito para a rua: se esta vida não é mesmo uma trapaça,
então, por onde andará quem me falta nesta hora?
Ah, como são tristes as luzes da cidade anoitecente;
não será tudo uma questão de entardecer aqui... ou lá?
__________
[Penas do Desterro, 15 de outubro de 2006]
Carlos Rodolfo Stopa
Enviado por Carlos Rodolfo Stopa em 15/10/2006
Reeditado em 01/07/2012
Código do texto: T264698
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Carlos Rodolfo Stopa e o site http://recantodasletras.uol.com.br/autor.php?id=1377). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Carlos Rodolfo Stopa
São José dos Campos - São Paulo - Brasil
958 textos (48318 leituras)
34 áudios (3345 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 15:59)
Carlos Rodolfo Stopa