Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

POEMA VII - FRAGMENTOS

             
                I

                Arrastam-se pesadas nuvens;

                Relâmpagos iluminam o velho horizonte,

                sopra o vento arrastando as folhas,

                balança os cabelos brancos

                da velha calada,

                logo, cheiro de poeira molhada,

                a cidade se apaga,

                mergulha na escuridão imensa -

                caem as primeiras gotas,

                outras mais, enfim, milhares…

                “Dissolvem-se as nuvens negras

                banhando a terra, (…)”

 

                II

                Penso em minha mãe…

                        - E cai a chuva!

                Penso na menina carinhosa…

                        - E cai a chuva!

                Penso no meu pai…

                        - E cai a chuva!

                “Passam os segundos, as horas…

                        - E cai a chuva!

                A velha chora sozinha…

                        - E cai a chuva!

                Vitórias e derrotas:

                A vida é mesmo estranha… (?)

                        - E cai a chuva!

                Chove sem parar…

                        - E cai a chuva!

                Uiva o vento irado…

                (Choros, mortes, prejuízos…)

                        - Desaba a chuva!

                Lá fora há escuridão,

                        - Lá fora há chuva!

                Tento chorar, o nó na garganta aperta -

                não consigo…

                        - Cai a chuva!

                Hoje é domingo, -

                não!, ontem era domingo,

                já seguem duas horas

                do novo dia, -

                já é segunda…

                        - Chove, chove sem parar!

                Os relâmpagos iluminam meu quarto,

                o estrondo dos trovões ecoam nas alturas…

                        - E cai a chuva!

                Penso nas pessoas enfermas

                nos leitos dos hospitais;

                Penso nas pessoas sem teto

                vagando sob a escuridão…

 

                        -  E - c-a-i - a - c-h-u-v-a-!

                                Três horas, quatro,

                                       adormeço…

 

                Lento desponta o grande astro,

                sua imensa luz penetra suavemente

                invadindo o meu quarto,

                aquecendo a minha face…

                        - A chuva passou!… (?)

       

                               É segunda-feira, a vida passa,

                               o tempo passa, a vida passa!…

 

                A vida tem sentido:

                        - Quando existe amor!

                O casamento não desaba:

                        - Quando existe amor! (De ambos os lados!)

                Por que escrever sobre isso em plena segunda?

                Porque qualquer dia é um bom dia para escrever,

                        - Quando existe amor!

 

                                “Sei que o amor é qual um fantasma,

                                todos o comentam, mas poucos o sentiram…”

                                Porém se alguns sentiram,

                                logo, existe!

 

                Hoje é segunda-feira

                dia quinze de setembro,

                doze horas, quarenta minutos,

                mil novecentos e noventa e sete…

                Falei sobre o sol, mas não há sol

                neste dia, falei sobre o sol

                só para animar-me;

                Porque lá fora há chuva…

                        - E cai a chuva!

                Centenas de palavras

                ecoam em minha mente…

                        - E cai a chuva!

                                o tempo escorre

                                qual a água pela guia…

 

                III

                Respiro.

                Sigo escrevendo esse poema;

                Penso na vida, na morte,

                no azar, na sorte…

                Aprendi com a dor,

                a dar valor a saúde…

                Aprendi com tempo,

                a ter paciência…

                Aprendi que o mundo

                não é só de espinhos, -

                o mundo, também

                é feito de rosas!

 

                IV

                O leão ruge nas matas…

                        - Coragem!

                O veado foge desesperado…

                        - Medo!

                Os rios correm para o mar

                que nunca se enche…

                O vento segue para o sul

                e retorna ao norte

                completando seu ciclo,

                        - Equilíbrio!

                O furacão ronca na eira:

                        - Desequilíbrio!

 

                V

                O sol nasce - se põe,

                o sábado termina;

                passa o domingo;

                chega segunda…

 

                        - O tempo passa!

                O macaco pula pela história… (?)

                        - O tempo passa!

                Navega os sete mares…

                        - O tempo passa!

                Divide átomos…

                        - O tempo passa!

                Computadores, raio “laser”…

                        - O tempo passa!

                (A origem do homem se perde nas sombras do tempo!)

 

                VI

                Ah!

                Bato com a cabeça no velho espelho

                fraguimentando minha imagem…

                (Será o espelho que esta estilhaçado,

                ou será que sou eu?

                Os pedaços pelo chão,

                ah! velho espelho, você que é testemunha

                de tantos anos de minha existência,

                que me refletiu feliz, -

                me refletiu triste…

                Agora estou aqui preso a mim mesmo!

                Observo os pedaços do espelho,

                vejo minha imagem espedaçada,

                mais uma vez o espelho

                reflete minha realidade…

                Volto à razão e ouço

                o som dos pingos na telha de “eternit”…

                        - E cai a chuva!

                Há gemidos;

                Há ganidos…

                Lá fora não há nada de novo!

                Mas, o que há do outro lado?

                Há outra realidade

                do outro lado, do espelho,

                de mim, da existência…

 

                VII

                A vida é estranha,

                cercada de mistérios…

                Caminhos, tantos!

                        - E cai a chuva!

 

                Navego envolto em mistério…

 
Mário Vigna
Enviado por Mário Vigna em 19/10/2006
Código do texto: T267977
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Mário Vigna
Votorantim - São Paulo - Brasil, 44 anos
9 textos (230 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 15:39)