Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Um amor ao poeta

Eu tento me achar na plenitude
De cada atitude nova que me persegue
Mas parece que tudo tende ao não querer
Mas parece que a minha vida conspira contra mim mesmo

Eu tenho sonhos maiores e melhores
Que qualquer um que aqui já sonhou
A minha casa, os meus filhos, a minha mulher
São tão reais que eu os amo a cada dia mais

E a cada dia mais me perco em meus sonhos
Tenho metas, mas não me obtenho mais
Eu sonho apenas com cada chão passado no meu penar
Eu brilho para a vida que me chama ansiosamente

Tudo parece a gota d'água de meus sentimentos
Parece que eu fui forçado desgraçadamente
Sem ser normal pra qualquer um que me passa
Pausando ou estancando cada sangue com sal!

Eu grito, eu me bato, ascendo!
Cada vez que eu tento me perder e não me deixo
Canto pesares de amor de dor de vida
Canto pesares de cada chão que me encontro

Tenho medo do desconhecido, do tudo que falam
De mim, da vida, de ser ou não ser, de crescer
Eu sinto que me perdi em todos os comentários
E me sinto fragilmente encantado por cada um que me passa/passou

Eu seria mais forte em cada veia de mágoa que me cerca
A minha condição já foi aceita: Serei assim e mudarei sempre
Sou flexível e amável com os seres humanos
Sou feliz, mas amo meus filhos, minha casa, meus sonhos

Posso deixar o traço egoísta de ser um humano vigoroso
Com braços, testa e coração!
De enfrentar cada desafio imposto por mim mesmo!
Em cada falta de fala, em cada falta de brilho, em cada passo descompassado...

Compassado com o meu simples passado!
Por isso que posso dizer a todos que sou simples e denso
Por viver e sonhar ao mesmo tempo: ser altamente maduro e altamente prematuro
Ser o fim, meio, começo, fim, meio, começo

Então, dá-me um amor além de simples letras
Que quando eu viva, eu ame, eu pense
Abram-se as janelas de novas vidas, abram-se os meus olhos pra mim!
Que, talvez, a ilusão acabe a qualquer minuto de vida...

Abra-se ao novo, caro gelo!
Cara sorte infantil e doce de ser eu!
E guie nos altos pontos do amanhecer!
Que o dia, agora, amanhece mais livre: Eu escrevo!

Um amor maior que tudo isso!
Maior que essas letras simples:
Um amor maior!
Uma vida, sempre!

19-10-2006



iuRy
Enviado por iuRy em 19/10/2006
Código do texto: T268015
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
iuRy
Olinda - Pernambuco - Brasil, 28 anos
71 textos (1342 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 15:07)
iuRy