Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Retrocesso

J B Carneiro

Nossos dias são loucuras,
que correria neste país.
Sobe o gás, sobe o leite
sobe até o preço da meretriz.
Já não se tem escola decente,
também...
professor ganhando mal,
ele fica no vai e vem,
pra aumentar seu capital.
O aluno é refém,
da coisa imoral.
Vagabundo se da bem,
achacando o pessoal.
Passo fome noite e dia,
sem ter a minha ração.
O governo dita poesias,
amealhando o meu quinhão.
Não sei o que tanto se deve,
nesta terra de meu Deus.
Mesmo sem plantar nada,
até abóbora nasceu.
Da água cristalina,
só restou opacidade,
correndo pelos canos das ruas,
pra dizer que somos cidade.
Aquele arranha-céus,
que o "Tio Sam" ali instalou,
derrubou árvores de primeira,
e até favelado deslocou.
Foi jogado como selvagem,
indo lá pro fim do mundo,
só pra mostrarem por vaidade,
que somos nação de primeiro mundo.

www.jbpoesias.com
Jose Belarmino Carneiro
Enviado por Jose Belarmino Carneiro em 19/10/2006
Código do texto: T268188
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jose Belarmino Carneiro
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
13 textos (397 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 12:01)
Jose Belarmino Carneiro