Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Lago Azul...

   Ruflei as asas com violência

                    espanando o pó ácido

                    que  impreguinava meu corpo nu.

                    Voei pela noite adentro

                    pousando às margens

                    do profundo Lago Azul -

                    plano, silencioso…

                    Pousei:

                    - Olhei meu rosto pálido

                    mergulhado na água escura:

                    A dor torturava minhas entranhas,

                    me impedia de pensar.

                    Contava triste os segundos, (tantos!)

                    que escorriam pelos buracos do tempo!

                    Sentia-me qual uma serpente sem presas

                    rastejando pelas areias

                    quentes da Costa do Esqueleto;

                    Sentia o buraco negro

                    que crescia dentro de mim,

                    quase dissolvendo minh’alma…

                    Olhei para as águas frias do Lago Azul,

                    vi meu rosto cercado por diamantes

                    refletidos na água escura:

                    - Naquele momento estranho:

                    compreendi meu valor!

                    Voei de volta pela noite fria,

                    voei baixo para não me chocar

                    com o manto negro

                    forrado de diamantes…

 

                    (Ruflei as asas que a imaginação me deu!…)

Mário Vigna
Enviado por Mário Vigna em 20/10/2006
Código do texto: T268780
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Mário Vigna
Votorantim - São Paulo - Brasil, 44 anos
9 textos (230 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 08:08)