Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NO FINAL


Não fosse aquela lua explicita
Elevando-se do mar ao céu
Um sol nascente, ardendo
Excitando misteriosas poesias
Diria que nunca existiu a madrugada
E que jamais anoiteceu.

Não fosse um nascente tão despudorado
Desnudando a flor em sua natureza
Revelando do dia as suas cores
Seus exóticos sabores, do sal ao doce
Diria que nunca amanheceu
E que jamais existiu a madrugada.

Não fosse a música...
O sentir de uma primeira canção
E no arrastar das horas
O ritmo tornando-se intenso
Em uma alegria, acelerando o coração
Diria que nunca existiu à tarde
E que jamais existiu esse dia.

Não fosse tudo isso...
Lembranças de um mar a me embriagar...
Não fosse o tudo! Tudo o quanto jamais senti
Diria que nunca existiram os dias, as tardes
As noites, as madrugadas.
Diria que jamais amanheci, que sonhei
Que enlouqueci ou que nunca vivi!

Não fosse dia após dia...
Vagar por ai sem saber quem sou
Diria que não existem desertos, que estou aqui.
Mas há uma dor a me dilacerar o peito, a alma
Que me leva para dentro de mim.
Ah! Não fosse essa dor... tão real...
Diria que morri!

(Rita Costa - 03.07.06 - Rio de Janeiro/RJ)
Natureza Poética
Enviado por Natureza Poética em 02/11/2006
Código do texto: T280560

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Citando nome do autor, data, local e link de onde tirou o texto.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Natureza Poética
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
43 textos (3204 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 09:13)
Natureza Poética