Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Construção

Ergo catedrais enquanto durmo
Sem algemas encontro caminhos
Entre grades amanheço
Debruçada no meu travesseiro de pedras
Se clamo por liberdade
Arrastando pesada corrente
Fica distante o horizonte
Torna sofrido o presente.

Ergo catedrais enquanto vivo
Prevendo melhores dias
No caos de novo me encontro
Mergulhada em demasia
Numa esperança mórbida
Numa vontade vazia.

Ergo catedrais enquanto sonho
Romper as amarras contidas
Em pequenos flashes concretos
De uma realidade escondida
Na ridícula humana certeza
De que as catedrais construídas
Serão finalmente o túmulo
De onde não há saídas.
Perpétua Amorim
Enviado por Perpétua Amorim em 08/11/2006
Código do texto: T286026
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Perpétua Amorim
Franca - São Paulo - Brasil
145 textos (4174 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 08:00)
Perpétua Amorim