Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Para não dizer que não falei de você

No dia em que você partiu não senti vontade de chorar...
Ainda pude ver a marca dos faróis se afastando da janela
e nada, nada disso me comoveu o antes combalido coração...
Senti um frescor n’alma como a meiga alegria da manhã
A ordenar a partida das lágrimas que se secaram ao tempo...

Olhei-me o semblante num espelho e me achei linda...
Percebi desabrochando um sorriso que não mais aparecia
o sorriso faceiro da menina-moça à espera do seu primeiro amor...
Dos meus olhos já não se penalizavam a tristeza e a despedida
vislumbrei a entrega da vida às alvíssaras marcantes de meu ser...

No dia em que você partiu, eu vi na minha vida a inimaginável cura,
saí de você como se expande o espírito por etéreas paisagens,
uma vez liberto do débil corpo sem sobrevida, que dantes o aprisionara...
Percebi que as cicatrizes doem menos que abertas feridas
no sonho de vê-lo entregue ao amor que sozinha empreendi.

Toquei-me o rosto e percebi nova juventude colorindo-me os dias,
os dias que pensara ter perdido nesta janela, esperando você chegar...
Mas o tempo parou para esperar a descoberta do momento esquecido,
trouxemúsica e poesia a rejuvenescer-me a face maquiada de solidão...
Em meio à arte de letras e melodias, percebi o quanto dantes me deixou só...

Porém quero que saiba que, em meio às dores e ao pranto de outrora,
sou deveras grata, grata pelos dois poemas que me compôs à luz
e agradeço-lhe o experimento humilde de viver sem amor...
Agradeço por ter-me feito, ainda que de chorar,
a mulher que hoje sou: Forte o bastante, doce o bastante,
o sorriso puro de criança, não obstante...

Se no dia em que você partiu, não tive tempo nem vontade de chorar,
devo a você, que não teve forças pra viver uma mentira
nem foi capaz de forjar um sentimento que jamais no peito carregará...
Se hoje você chora, não sei se de saudades ou da parca rotina do seu dia,
não serei eu o seu consolo, hei de chorar, sim, pela nova oportunidade
de devotar a outro amor, que haverá de receber, conceber
e dar valor  à felicidade que coloquei ao seu ser dispor
por tantos e tantos dos meus dias.

Nalva
Enviado por Nalva em 21/11/2006
Reeditado em 20/11/2009
Código do texto: T297748

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Nalva
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 49 anos
102 textos (15403 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 00:14)
Nalva