Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O RETIRO DOS DOMINGOS



O RETIRO DOS DOMINGOS

 

Não há nada aos domingos.

Nem a chuva que cai,

aos domingos é real,

ela apenas cai e não molha,

talvez porque as lágrimas,

molharam bem antes.

Porque aos domingos,

sempre aos domingos,

quando não,

em outro dia da semana,

as lágrimas insistem,

salgadamente,

em preencher o vazio?

Estou só e eu sei,

sei tão bem que nem sei,

se estar só é próprio de mim,

ou característica dos domingos.

Mas sei que não há amor

guardado para mim aos domingos,

nem alegria ou outro sentimento,

digamos que seja bom,

nestes domingos de chuva.

Porque meu amor se retrai,

todos os dias de semana,

e ainda mais aos domingos?

Não o amor que eu quero,

porque na verdade não importa o dia,

este já não me quer mais.

Mas o meu próprio,

o meu amor,

aquele que dentro de mim,

brotava e que devia,

mesmo sendo domingo,

continuar a brotar?

Antes havia praia aos domingos.

A praia era do álcool aos domingos.

Por isso havia praia

e esquecimento dos domingos.

Mas agora há apenas essa chuva,

não a oblíqua de Fernando Pessoa,

mas essa transversal e transparente,

que atravessa a gente e,

ao se misturar às lágrimas,

que caem nesse domingo,

simplesmente deixa de ser chuva,

para ser mais uma angústia,

uma angústia infindável,

de um amor inexistente,

que sempre  aparece aos domingos.

E eu me olho na tela,

do computador aos domingos,

e como não é espelho,

nele escrevo que domingo,

não é mais dia nem menos dia,

é apenas um dia qualquer,

pois só é especial por ser domingo,

e ter essa chuva salgada dentro de mim.
Humberto Amancio
Enviado por Humberto Amancio em 18/07/2005
Código do texto: T35257
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Humberto Amancio
Amparo - São Paulo - Brasil, 62 anos
6 textos (256 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 08:29)