Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ecos da Busca

Não despertes o meu silêncio
É momento de acalentar a solidão
Deixa-me caminhar sobre os seixos da busca
Permite que minha palavra deserte
Da nascente rumorosa e inquieta
Onde transbordam minhas mãos
Não me imagines em abandono
Nem que me dissipo pelas rasuras
Do extremo vazio é que me vivifico
Peregrino-me, atravessando-me o sentir
É entre a pele e a alma que me perscruto
Desamarrotando o esboço de uma sobrevivente esperança

Não pressuponhas que não estás em mim
São tuas todas as noites que me esperam
Partir de ti seria fugir-me
Mas há em meu peito ilhas de solidão de mim mesma
Onde me desencontro da multidão que me habita
Não penses que me deterão as algemas da descrença
É necessário que alguns passos
mirem-se à beira do precipício
Para que eu me descubra na penumbra do que não vi
Talvez eu precise rever o infinito
Onde desacreditei de alguns vôos
E fundir-me somente comigo
No espelho do horizonte desconhecido
Seja agora meu refúgio e urgente destino


Fernanda Guimarães


Visite "De Amores e Saudades - Fernanda Guimarães":
www.fernandaguimaraes.com.br


 

Fernanda Guimarães
Enviado por Fernanda Guimarães em 05/02/2005
Reeditado em 25/08/2008
Código do texto: T3542
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Fernanda Guimarães
Fortaleza - Ceará - Brasil
430 textos (64243 leituras)
9 áudios (1778 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/09/16 22:37)
Fernanda Guimarães