Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cotidiano do Amor

Bem tarde
num certo domingo
ainda dormindo
ela veio me acordar
Desejei-a nua
e prometi-lhe a lua
me disse
pare de sonhar

Dou-lhe uma rosa
ela ignora
e pede uma joia
Sussurro ainda com sono
eu te amo
e diz
nessa prosa
não acreditar

Abro a cortina
para a luz entrar
está com enxaqueca
pede para fechar,
procura os óculos escuro
para a vista descansar,
percebo que à noite
sexo nem pensar

Bebo um café
procuro o isqueiro
pra acender um cigarro
ela ao contrário
esconde o cinzeiro
e toma chá

Sugiro uma feijoada almoçar
se faz de enjoada
e prefere qualquer coisa lanchar

Joga sobre a mesa
um monte de contas a pagar,
lhe peço pra rezar um terço
e torcer pro meu aumento chegar

Vou ler o jornal
tento ficar
com a atenção às noticias
mas é impossível
deixar de notar,
ela bem que tenta disfarçar
e pra mãe vai correndo ligar,
começa a fofocar

O que isso vai dar ?
Perdi a paciência
e a esperança
de tentar consertar
Preparo a vara
tiro a aliança
e vou pescar
Plínio Sgarbi
Enviado por Plínio Sgarbi em 08/09/2005
Reeditado em 06/12/2012
Código do texto: T48859
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Plínio Sgarbi
Jaú - São Paulo - Brasil, 54 anos
241 textos (218023 leituras)
21 áudios (3298 audições)
5 e-livros (510 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 07:43)
Plínio Sgarbi