Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Analgesia

Pouco muda após a morte
de alguém que se ama.
Os ventos são mesmos.
Os carros são os mesmos.
A São Clemente grita
com a confusão das seis horas
como sempre gritou.
Enfurescida e imponente.
E aqui em Botafogo,
uma janela a menos se acende.

Acendo velinhas então,
com azuladas chamas frias,
para iluminar o caminho
daquela amizade de fogo,

apagada pelos dias.

(Não é a morte que dói,
é a vida).
Tatiana Castro
Enviado por Tatiana Castro em 12/09/2005
Reeditado em 12/09/2005
Código do texto: T49795
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Tatiana Castro
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 35 anos
14 textos (560 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 20:43)
Tatiana Castro