Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ECOS... quase universais.

Sem querer tirar ao leitor
o prazer(espero!) de "descascar"
o enredo de um texto poético,
apetece-me aventar a ideia
que nos remete para aquelas
imagens/instantâneos de uma vida
que recolhemos com algum carinho
no álbum da memória
para poder revisitar a bel prazer.
Aí está o enredo:
o ritualismo laico da saudade
e a minha fé é que estes rituais
são matéria autenticamente
universal.
Gosto do universal.



                      [Ecos]


O meu presente e futuro
têm alicerces, fundações,
tudo muito prendado,
“a pontos de” disporem até
de um claustro de mármore
e uma formidável clarabóia
correctamente sobranceira
ao nível do meu sótão.
Como está bom de ver
estes recantos encerram,
muito saudavelmente,
certas ressonâncias,
determinados ecos,
ora ténues e delicados
ora muito bem sonantes.

Por esses meandros
os meus ouvidos
arvoram-se em atalaias
e todo eu escuto
perscrutando os domínios
dos tempos que ficam.
De algures uma fala:
“A batata é prós porcos!”
Escutem só, ali adiante:
“Testamento... é por boca;
pela palavra dada
em ser dita... ser digna!”
“Quanto não vale a honra?”
Não são já os ecos
de passadas mas de acasos;
é a cadência das vozes
tão mais velhas
que os pés ou o soalho.

Apuro os sentidos
e entendo que
“Aqui em baixo, na loja,
os animais repousam, mansos.
Arrebanhados no rés-do-chão
aquecem-nos a casa.”
Não são ecos, ou serão?
São certezas ancestrais
que me deixam um espaço
lúcido e sóbrio
um legado vívido e parte
do quanto me é o todo.
A começar pelos vultos
banhados em penumbra,
aliás, como o do meu avô
que ninguém imaginava
ser suicida.

Saiu para a noite
no meio de um nevão.
Quase juro que ele sentiu
que aquele era o temporal
em que o esperava a morte.
...
“... E não nos deixeis cair...”
diria ele, então.
Agora, digo eu, ou, interpreto
a resultar mais ou menos nisto:

Partindo de “A”,
passando por “B”
desviando em “C” e caindo...
virtualmente... em tentação...
e quem virá que nos livre
do mal... ó Mãe!?
.
______________________LuMe
Luis Melo (www.lumelo.com)

Luis Melo
Enviado por Luis Melo em 04/10/2005
Código do texto: T56408
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luis Melo
Portugal, 59 anos
64 textos (2257 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 20:40)
Luis Melo