Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

COMO SEMPRE


 
 
O Sol Já nasceu.
Deixou empós sí a alvorada.
Como se fosse um nada.
Agora o calor, a abrasar.
 
Como Sempre
 
O dia começa.
Não ha ruído de sapatos.
Apenas o silêncio.
As mulheres fazem o pão.
Logo a explosão.
 
Como Sempre.
 
Alguém foi ao céu.
E levou consigo outros.
Na porta da Mesquita
De Bagdá.
Os Ingleses com seus primos
americanos.
Querem os canos, de Bagdá
 
COMO SEMPRE.
 
No Céu começa a subir o rolo da fumaça.
Os carros amassados,estão queimados.
Os bombeiros, em jatos d'aguas
Querem apagar aquele fogo da Mesopotamia.
Uma tocha acesa em Bagdá.
 
Como Sempre.
 
Império Britânico ou Globalização.
Mandatos a configuração.
O petróleo é de quem pegar.
Mas pega fogo.
Sunitas e xiitas a rezar.
 
 Como Sempre.
 
Quando um homem.explode,
embora o último do dia,
não explodiu em vão,
pôr mais modesto que seja,
pode orgulhar-se da explosão.
 
Como Sempre
 
DON ANTONIO MARAGNO LACERDA ( AL KHALED)
Prêmio UNESCO/poemas/jornal
www.jornaldosmunicipios.go.to
 
jornaldosmunicipios@ig.com.br
DON ANTONIO MARAGNO LACERDA
Enviado por DON ANTONIO MARAGNO LACERDA em 13/10/2005
Código do texto: T59232
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
DON ANTONIO MARAGNO LACERDA
Campinas - São Paulo - Brasil, 79 anos
55 textos (2587 leituras)
2 e-livros (95 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 00:03)
DON ANTONIO MARAGNO LACERDA