Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LOUCURA INÚTIL

Não sou eu,
ou melhor, não é este corpo magro
e marcado pelas espinhas do tempo,
que busca nas noites vazias,
o prazer solitário dos prostíbulos.
Realmente, não sou eu
que vibro nas alcovas prostituidas,
e depois da espermação
sair frustrado e fruido,
a bebericar os papos de botequim.
Não sou eu,
é mais o poeta desfeito,
que ainda tenta encontrar
a razão da poesia.
Indubitávelmente,
sou eu que me atiro
às abluções pós-instinto
e encontro o poeta
qurendo ressurgir,
e num átimo de desespero,
gritar que a poesia
ainda é necessária,
e que ser poeta
não é ser maldito,
mas, antes de tudo,
ver a poesia onde só se encontra desgraça.
Realmente não sou eu.
É tão sómente
minha loucura
inútil.
         
gaviaopoeta
Enviado por gaviaopoeta em 30/08/2007
Reeditado em 18/09/2012
Código do texto: T630211
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
gaviaopoeta
Ribeirão das Neves - Minas Gerais - Brasil, 67 anos
68 textos (1438 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 17:07)