Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema da Volta


Poema da Volta
Maria da Graça Almeida

O trem a balançar me levava,
seguindo a quente manhã,
eu carregava na bolsa
biscoitos e uma maçã.

As casas corriam lá fora,
também o campo e a flor,
tudo era verde no campo,
tudo na flor era cor!

E assim correndo comigo,
nem ao menos olhavam o trem,
atordoados, sentindo
o balanço do vaivém.

Trens que seguem ao norte,
trens rumando ao sul,
uns em preto e prata,
outros pintados de azul.

A viagem fazia-se longa,
eu já um tanto enjoada
ouvia do trem o apito,
soando-me feito um grito!

E o trem resfolegante se ia...
Na paisagem o olhar eu perdia.
Meus pés com certo inchaço
mostravam um ser em cansaço!

Finalmente adormeci.
Foi sono férreo, profundo,
mas ouço a voz que me chama:
- Moça, já é Pindorama!

Acordei assustada, eu juro!
Era tarde, fazia-se escuro.
Tão grata fiquei nessa hora,
por não me chamarem: senhora!

É que ao deixar a cidade,
era jovem e saí sem vontade...
Agora, voltando senhora,
de volta tenho a mocidade!

Por isso chamada de moça,
pelo guarda do trem que sorria,
digo ainda que estranho lhe soe:
- Seu guarda, que Deus o abençoe
maria da graça almeida
Enviado por maria da graça almeida em 11/03/2005
Código do texto: T6324
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
maria da graça almeida
São Paulo - São Paulo - Brasil
248 textos (14633 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/09/16 17:50)
maria da graça almeida