Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Papo de estômago

Escrever poesia pra dentro é muito mais fácil
que fazê-la pra fora.
Aí fora todos vocês O lêem, é inevitável
o circo de gestos, seu teatro, mímica, ruídos,
simulação, mentiras e atos falhos.
A imagem luminosa é retida em poses,
ainda que se transforme em poesia viva
que se desloca e instala-se no papel.

Aqui dentro a leitura é ulterior.
A caligrafia de seu corpo é poesia acriançada escura.
Não existem imagens, só a suposição imaginativa interior.
Vejo vermelho em todo canto,
diferente de seu ser moreno fraco fortalecido.
Como posso ver vermelho sem vela ou lanterna?
Cérebro de estômago é criativo e ácido!

Eis alí seus pulmões acolchoados de ar e ocos do mar
que ele tanto busca.
Eis cá abaixo seu intestino que cobra pedágio indevidamente
e tem evacuado em raros blocos pequenos revoltados com o preço.
Eis-me “neste” ou “nisto” – estômago - ansioso e ferido do medo.
Cheio deste cara e de gases poluídos de efeito estufa!


Eis acima seu coração de Jerico do nordeste:
órgão de repente improvisado,
de saudade lírica e lamentação.
Vive lendo e recitando letras de tormento
como burro velho estafado lendo chão.


André, um Jerico
www.ideiadejerico.com
André um Jerico
Enviado por André um Jerico em 19/09/2007
Código do texto: T659499

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Andre Barbosa de Oliveira www.ideiadejerico.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
André um Jerico
Monte Santo de Minas - Minas Gerais - Brasil, 47 anos
56 textos (824 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 23:04)
André um Jerico