Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Num dia branco do Poeta...

Num dia branco do Poeta... Sérgio Portugal 25-fev-2007
       (em Jeri)

Sugiro agora, próprio peito,
Um olhar vago no infinito...
Mas tu relutas, posto, desfrutas
De imagens claras que te definem algo concreto

“Digas porquê...” tu me sussurras
Enquanto desvias meu próprio olhar
À toda imagem que traduz fato

“Pois eu te mostro a alma na lua... nua sob o céu...
Envolta num tênue e quase transparente véu... branco...
Como o dia que ela veio suceder

Mais, detalho a ti o próprio véu... tecido por nuvens
No sublime instante que o olhar o acolhe
E que, futuro orvalho, cobrirá os verdes
Que amanhã me avivarão a cor da própria aura...”

E aí, sorvo o céu que ora os adorna
Delícia d'alma que ele próprio (o céu) acalma
Quando o infinito encontra início e fim
No vago do olhar que eu te convido (peito) a dar

Por fim, te coloco (próprio peito)
Sob esse dia branco do Poeta
Que hoje o amor arquiteta... divino...
Ainda que vago... como o tal olhar...

E ainda, sob o que se desperta... o riso...
Que te traz (peito) o paraíso e a paz...

E, assim, outra vez, eu te convido...
“Que tal (meu peito) um olhar vago no infinito
Num dia branco do Poeta???”
SerH
Enviado por SerH em 21/09/2007
Código do texto: T661961

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
SerH
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
19 textos (599 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/09/17 03:02)