Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sem título(90)

Profanem-me

Nomeiem-me como o mais impuro dos homens

Lapidem-me no esconjuro de todas as pragas

Amortalhem-me em fervente cal

E quem dera que a sorte dos ventos faça um certo norte

No desnorte das vossas instáveis naus

Quem dera que sangrando eterna e desmedidamente

Por mim sangrando

Seja mais verde e frutuosa a vossa árvore

E a ave tenha artes novas de voar

E a ave faça o voo na plena demanda dos vossos recalcados sonhos

E toda a aridez dos solos se faça oásis em vosso deleite

E se for azul o vosso desejo

Que seja sempre o firmamento a tela assim colorida

Que sejam sempre os nascentes e poentes

Fontes de cor que vossos olhos ansiarem
   

Assestem-me com dardos e zagaias

Dilacerem-me

Sepultem-me na lava do mais bravo vulcão

E quem dera que em cinzas pulverizado

Disperso ao vento beijando terras e mares

Seja a ínfima e perniciosa partícula

Ausente do vosso respirar

O resto de mim esquecido nas lonjuras

Em distância segura do vosso espaço íntimo de pureza





Quem dera que sendo já esquecido na memória

Das coisas e dos lugares -que da memória das gentes nunca ocupei lugar –

Quem dera que sendo o exímio derrotado

O barco triunfalmente naufragado

Quem dera que partindo

Floresçam mil sóis em vossos olhos

Quem dera


Quem me dera ao deus dará perdido em desérticos ou glaciares infernos

Quem me dera já ser apenas a boca trincando a fome

Ser apenas o autófago coração fragmentado

Ser sem nada ter e nada valer

Quem dera que assim se cumprisse a fortuna alheia

Quem dera saber e já sem poder ver

Quem dera que assim partindo

Vos seja de proveito o proveitoso da vida


Dionísio Dinis
Dionísio Dinis
Enviado por Dionísio Dinis em 23/09/2007
Código do texto: T665015

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Dionísio Dinis). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Dionísio Dinis
Portugal, 55 anos
126 textos (5426 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 16:47)
Dionísio Dinis