Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Insídias do tempo (ela não veio me ver)

Insídias do tempo

Parecem insídias do tempo:
Estive ontem
Onde agora tu estás.

Deitei sobre o gramado
De Nossa árvore, solitária
A criar texturas do céu.

Sôfregas plenitudes em mim
A criar poemas dos centímetros
De teu corpo, mechas do teu cabelo.

Sob aqueles recortes azul-celestes,
A favor do vento oeste
Já tecia meu último poema para ti

Em corredores, em salas vazias
Ainda via projeções fantasmagóricas,
Suplicantes filmes de nós dois.

Vozes de um cinema antigo:
Impressões bicolores da vida
que já não temos mais

Passos, ruídos e ecos
Povoavam meus sentidos,
E meu peito era um pêndulo

Oscilando entre o frenesi
E o grito das misérias.
Você não veio! Eu não quis...

Tantos templos tétricos
Tornados totalmente tentadores:
Eu os via agora! ...e sofria.

Nenhuma lei ou verdade
senão o tempo de algumas horas
Que novamente nos afastou

Foi capaz de criar esta impressão:
Fui o primeiro a Tocar tua sombra,
Pisar em vestígios, no teu passado.

Sim, eu te sentia tanto, a ponto
De rasgar as grades do corpo
Á rondar teus passos: santuários!

Quão bizarro é esse sentimento:
Não pede por beijos, mas sim olhares,
Não deseja toques, apenas palavras.

Eram extremas as sensações,
Alucinógenas por desejo,
A me lançar nas ondas gigantes

Oriundas de mim mesmo e
Da lembrança de teu conforto
Nos momentos que chorei.

Extremamente delicada era a linha
(Completamente quimérica também)
Que ontem separou nossos olhares.

Se alguma sensação além do desejo
Fosse capaz de vencer o impossível
trazendo teus olhos até o jardim,

diante de minha monstruosa apreensão
nada seria surpresa, apenas meu
maior prazer incontido ganhando vida.

Nuvens apressadas e distantes.
Eu ainda deitado procurando no céu
Uma frase definitivamente perfeita

Lá havia: azul e branco ofuscante.
Os raios incidindo na flor ao meu lado
A resposta de minhas divagações:

“Belos, se mais fossem teus olhos,
eu, em anseios indomáveis
mataria na raiz do meu peito
tuas lembranças inefáveis”
Guizos
Enviado por Guizos em 18/03/2005
Código do texto: T6946
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Guizos
Roca sales - Rio Grande do Sul - Brasil, 31 anos
5 textos (374 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 23:20)