Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nunca pretendi que o sol fosse aquele barco

Debaixo do céu
ouço a chuva cheirando à terra,
caindo aos poucos como goteiras cristalizadas
no telhado daquela casa
onde ninguém vive há muitos anos
e bem, lá estou eu
vendo a chuva detrás da janela partida em cacos
- a extensão das goteiras arriscando fios luminosos
até o chão
e é como se eu não estivesse nesse lugar.
Penso que a felicidade são
as goteiras daquele teto caindo.
Então um barco
da minha infância vai triste pela enxurrada
feito um náufrago.
Hoje o espaço que há entre a minha voz
e o silêncio é a eternidade.
Chover, agora dói,
sobretudo na alma.
No entanto é como se não chovesse.
Olho atravéz da janela a minha frente:
"eu nunca pretendi
que o verão fosse aquele barco
indo sozinho ao encontro do nada."
Mas nas frases, o sol era um livro aberto de gravuras
que passava como as horas
- um relógio de folhas caídas, os ponteiros martelavam
sem pressa sobre o café abruptamente
abandonado à mesa,
tudo misturado, enfim.
O Sol ao longe se
desdobrava na  manhã
como um ladrão.
Leo Linares
Enviado por Leo Linares em 22/10/2007
Reeditado em 22/10/2007
Código do texto: T705491
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Leo Linares
Goiânia - Goiás - Brasil, 31 anos
25 textos (1161 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 22:26)
Leo Linares