Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PERGUNTAS A TI

PERGUNTAS A TI

Meu doce amor por onde andas?
O que fizestes ao teu coração para tanto machucá-lo?
Sempre paro na esquina do tempo a espera de ti
A espera do sopro que exala da tua boca úmida
A espera de mim

Meu doce amor onde vives agora?
Onde está a ânsia quente que me mantinha vivo para ti?
Sempre busco você nas ruas anônimas
A espera do perdão esquecido no momento de loucura
A espera da palavra sussurrada com medo

Meu amargo bem quando deixastes de me amar?
Acaso não serei digno dos seus risos cristalinos?
Acaso sou tão impuro que me rejeitas sem compaixão?

Meu alucinado desejo quanto valho para ti?

Hoje não quero brincar de adivinhar futuros
Quero rir da minha insensatez
Quero dividir com o mundo essa dor prisioneira das paixões inacabadas
Quero lhe dizer da minha angústia de amar sem resposta
Quero poder chorar com todo o estardalhaço e expulsar essa dor lasciva

Quando, enfim, vier o claro dia sem culpas e mentiras,
Terei compaixão das dores alheias que as senti na carne nua
Sararei minhas feridas egoístas para dar-me inteiro a você



Elvira Pereira de Araújo
Enviado por Elvira Pereira de Araújo em 30/10/2007
Código do texto: T716062

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Elvira Pereira). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Elvira Pereira de Araújo
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 53 anos
65 textos (4277 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 16:03)