Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

QUANDO CHEGUEI

Quando cheguei,
a terra chorava pedras rubras
que um rumor líquido,
por entre o sombrear verde
das árvores antigas,
acolhia e acalentava.
Eram como denúncias
duma outra idade
numa outra escala de tempo,
onde as suas presenças
se mediam em ritmos
de ocasos repetidos aos milhões,
como numa sucessão lenta
e nunca enfastiada,
de contagem impossível.
E havia uma paz gritada
nas horas estendidas,
no silêncio contumaz dos momentos
e das sombras densas,
que abria um espaço
e atapetava um caminho
feito de religiosidade,
onde gestos sem idade
fariam sentido
mesmo se profanos.
Mesmo se inacabados.
Foi por ele que me perdi,
inventando preces só minhas,
sem saber que eram repetidas
e que apenas se renovavam
em ecos de uma outra boca
que, noutros momentos
de igual surpresa,
tinha encontrado
aquele santuário
poupado pelo tempo
e, nele, orado
a um deus desconhecido...
Mesmo que silenciosamente...
Mesmo que insuspeitadamente,
num altar feito de acasos...


Novembro 2007
Henrique Mendes
Enviado por Henrique Mendes em 01/11/2007
Código do texto: T719718

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Henrique Mendes
Montijo - Setúbal - Portugal, 61 anos
290 textos (14329 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 07:16)
Henrique Mendes